LIMITES NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM DESAFIO CONSTANTE

Uma criança chorando e esperneando em local público. Todos no entorno olham e esperam qual será a reação do adulto que a acompanha. O que nem todo mundo pensa é que, por trás dessa atitude, pode estar a falta de imposição de limites.

Os pais que impõem limites a seus filhos transmitem com isso segurança e proteção, através de um vínculo de respeito e afeto. Por outro lado, a criança que não recebe esse estímulo tem reações negativas, como a birra.

E a tarefa precisa começar cedo, já que entre 0 a 3 anos, o principal objetivo infantil é a satisfação imediata do prazer, em uma fase conhecida como hedonista e egocêntrica. Por isso, a primeira reação da criança é não querer ser contrariada. Mas os adultos precisam ter em mente que faz parte do desenvolvimento aprender a ter responsabilidade e a ouvir “não” nos momentos certos.

Um exemplo é a hora de guardar brinquedos. A criança que adquire como hábito esse cuidado terá senso de responsabilidade e organização, que será levado com ela ao longo da vida.

Porém, a ideia de limite na educação não pode ser compreendida como imposição de castigo ou punição, mas como parte do processo de formação da personalidade da criança, um marco em sua socialização. Assim, são transmitidos valores capazes de fazer com que a criança consiga conviver de forma harmoniosa em coletividade e obedeça a regras básicas de convivência.

Para saber mais:

Para educadores, sugerimos o artigo Impor ou Sugerir Limites?, do Guia Prático Para Professores de Educação Infantil.

A matéria 9 Passos Para Impor Limites, do Site Delas, traz uma entrevista bastante esclarecedora com a psicóloga neozelandesa Diane Levy, especializada no aconselhamento de pais.

O artigo Regras e Limites na Educação Infantil, do Site Grupo Literatus Educacional, pode provocar boas reflexões em pais e professores.

Dicas de Livros:

Quem Ama, Educa - Içami Tiba

Disciplina, Limite na Medida Certa - Içami Tiba

Crianças Francesas Não Fazem Manha - Pamela Druckerman

“É Claro que Eu Amo Você... Agora Vá para o Seu Quarto!” - Diane Levy

Dicas de filme:

Criança, A Alma do Negócio

Compartilhe esse Post