DIVISÃO DE BRINQUEDOS PARA MENINOS E MENINAS: UMA CONSTRUÇÃO SOCIAL

Meninas brincam de princesa e se vestem de cor de rosa. Meninos jogam bola e usam roupas azuis. Você considera essa a única realidade aceitável? Pois talvez seja o momento de refletir melhor esses valores estabelecidos que parecem inquestionáveis.

A questão das cores, por exemplo. Em 1918, uma importante publicação norte-americana ditava que “a regra geralmente aceita é usar rosa para os meninos e azul para as meninas. A razão é que, sendo o rosa uma cor mais forte, denota pessoas decididas e com coragem, enquanto o azul, que é mais delicado e gracioso, é mais bonito para a menina”. Afinal, a cor rosa não está associada ao feminino por razões biológicas, neurológicas ou psicanalíticas, assim como azul ao masculino. Tudo faz parte de uma construção social.

Entenda melhor a “ditadura das cores” na matéria "Pelo Direito de Gostar ou Não de Rosa", do site obvious.

Já o aumento da segmentação por gênero dos brinquedos é uma forma da indústria do setor impulsionar vendas e, indiretamente, incentivar o consumismo. É importante que pais e mães tenham em mente que, em sua infância, não havia tamanha quantidade de jogos e quebra-cabeças, por exemplo, criados separadamente para meninas e meninos.

O Movimento Infância Livre de Consumismo publicou o artigo “O Problema Com Brinquedos Segregados para Meninas e Meninos”, no qual há detalhes e considerações relevantes para quem quer se aprofundar nessa questão.

A Psicopedagoga Daiane Keller aconselha a não haver separação entre brinquedos e brincadeiras infantis. “Nos dias de hoje, podemos dizer que os brinquedos não são exclusivos só para meninas ou só para meninos. Meninas jogam futebol e meninos fazem comida. Na brincadeira, as crianças representam papéis e isso é muito importante para a formação delas.”

Seguindo essa lógica proposta pela especialista, uma linha de brinquedos dos Estados Unidos questiona as brincadeiras exclusivamente femininas.

Por fim, Daiane Keller ressalta que brincar é umas das melhores formas de estimular o desenvolvimento e o potencial de uma criança. “A brincadeira fornece ampla possibilidade de interação, de fazer tentativas, erros e acertos, aprender a função de cada um, ajudar na resolução de problemas, desenvolver a criatividade e as capacidades emocionais e intelectuais”, conclui.

Saiba quais são os brinquedos indicados para cada faixa etária.

Compartilhe esse Post